leituras

[pitaco 10] – Depois de você

A 10ª leitura foi mais uma leitura coletiva, e a primeira do ano, com a Laura do @insta_reading  <3.

Impossível falar desse livro sem acabar comentando o primeiro. Lá no Insta eu percebi, pelos comentários que li, que muita gente que gostou muito da primeira história, não ficou tão feliz com a continuação. Eu achei ok e vou pitacar um pouquinho.

Olha, se você ainda não leu o livro e pretende ler, é melhor parar a leitura desse pitaco por aqui.

13148257_1335544123127455_1890807044_o

Li ‘Como eu era antes de você’ ano passado e foi uma leitura leve e para passar o tempo. Não senti um carinho especial pela história, foi normal. E por isso não criei expectativas antes de ler a continuação. Ambas cumpriram com o objetivo de esfriar minha cabeça no final da noite. E isso é ótimo. Mas admito que em alguns capítulos fiquei com um pouco de preguiça. Achei a personagem da Lily um pouco chatinha e alguns diálogos com ela tão chatinhos quanto. Eu sei que é apenas um menina com todo um contexto para “justificar” ser como é, mas mesmo assim, chatinha.

O novo romance de Lou com Sam também foi outra coisa que não me incomodou como incomodou outros leitores. Pelo contrário, gosto de reviravoltas e mudanças. E achei bacana também o apoio que ele deu para que ela fosse em busca da vida dela de volta.

Confesso que achei que seria mais um livro de final clichê “mocinha larga tudo pelo garoto”. E não foi. Achei bacana a busca da personagem principal por seu próprio caminho, independente do convívio com a figura masculina , o que, de certa forma, me surpreendeu. E acho que foi o ponto que mais gostei na história toda.

Cansa um pouco esse tipo de leitura que nos motiva a acreditar que precisamos do outro para termos a nossa própria felicidade. “Fundamental é mesmo o amor”. É impossível ser feliz sozinho? São escolhas. O livro faz com que a gente pense na questão de ser feliz independente de ter alguém ao lado. E das outras diversas formas de encontrar felicidade: felicidade por ajudar alguém, felicidade buscando se encontrar profissionalmente, felicidade por ter saúde, uma família ou um relacionamento à distância.

Acho que a personagem principal, ainda muito jovem, está nesse momento de se encontrar. E que bom que a autora desenvolveu dessa maneira. Terminar o primeiro livro e deixar a Lou apenas com a imagem de dor e saudade não me agradou muito. “Ah Carol, mas é uma história de amor com final triste”. Ok.

Talvez não pudesse ter sido diferente mesmo, mas naquela história. Contudo, essa continuação é uma história diferente e, entre outras coisas, de amor próprio.

ps: estou devendo comentários de outras leituras. prometo pagar em breve. na verdade já vou começar a 13ª.


Título: Depois de Você
Autor: Jojo Moyes
Páginas: 318
Editora / ano: Intrínseca, 2016
Tempo de leitura: 13 dias

leituras

[pitaco 5] Casei. E agora? As aventuras do meu descasamento.

TEM TEXTÃO E TEM SPOILER SIM. MAS SE FOSSE VOCÊ EU LIA O TEXTO E NÃO LIA O LIVRO, RS.

Peguei esse livro na promoção “bombomdeler”, que eu não sei se ainda está rolando, mas eles estavam dando códigos dentro das caixas de bombom para trocar por e-books lá no site da Amazon –  eu ganhei dois. Achei, ingenuamente, que eu poderia escolher qualquer livro do site, mas eles te oferecem uma pequena lista (uns 10 livros) e além desse livro que acabei de ler esse final de semana, peguei também um do Ziraldo, com as tirinhas do Menino Maluquinho.

Sinopse: “Cleo uma mulher bonita e inteligente, viaja para Las Vegas com suas melhores amigas, após seu noivo decretar que só iria se casar, caso eles ficassem 30 dias afastados, sem contato algum. Arrasada com a notícia aceita a proposta de suas amigas e viaja a Las Vegas, sem pretensão alguma e contando os dias para voltar aos braços de seu noivo. O que ela não sabia era que sua vida iria mudar totalmente a partir do momento em que conhece Douglas, o homem mais bonito e sedutor que já conheceu, e que ele, por causa de uma noite de bebedeira, iria se tornar o seu marido. O que fazer agora? Como voltar aos braços de seu noivo? Será que ela ainda ama seu noivo? Afinal ela havia casado em Las Vegas.”

Tenho que confessar que não li a sinopse quando decidi trocar o livro. Não li nada, apenas olhei a capa e pensei que esse poderia ser o livro que eu estava precisando: curto, engraçado, que eu pudesse ler com um pouco de barulho em volta (intervalo do trabalho) e que não precisasse pensar. Realmente, algumas dessas características o livro cumpre, mas, infelizmente, ele cumpre com outra: ser um (des)favor as mulheres.

  • O noivo de Cleo pede um tempo de um mês na relação antes de casar – olha, nem é pensado na questão de “ai, quem ama não pede isso”, porque cada um faz o que quer dentro de uma relação. Mas  Cleo deixa claro que não aceitou a ideia e está sofrendo, ou seja, miga, você não precisa disso. Ninguém precisa.
  • A personagem bebe todas e acorda na cama com Douglas. Ela não tem recordações da noite e muito menos lembra se rolou sexo. Olha para o cara que está pelado e? Ele DIZ que também não se recorda. “OK”: mais tarde saberemos que ele sabia que não tinha rolado nada, mas precisava fazer com que ela “desse uma chance para novas aventuras”. E né, gente? Nada mais normal do que mentir sobre isso e deixar o caminho mais fácil para a suposta segunda vez.
  • Quero resumir… então vou para o final. O livro acaba depois de muito sexo (toda hora ela tem tesão e quer transar mesmo achando que o cara é doido e trata ela bem em um dia e indiferente em outro) e aí o leitor se depara com um ANEXO DOS PERSONAGENS CONTANDO VERSÕES DA HISTÓRIA. GENTE! FOI TUDO ARMADO pela amiga (?) e um vizinho, o bonitão que se apaixonada “sem querer” por Cleo. Um plano infeliz que a amiga decide colocar em prática para fazer a amiga acordar para novas relações. Ahhhh, mas a amiga tem uma boa desculpa: não era para chegar até ao ponto deles casarem, era só para ele dar em cima dela e ela sentir que os homens a desejam. Tem também cartinha do cara falando que fez isso e queria sair dessa mentirada no meio da coisa, mas se envolveu e não conseguiu. E para que contar a verdade, não é mesmo? E PARA PIORAR. TEVE CARTINHA DA PRÓPRIA CLEO FALANDO QUE JÁ SABIA DE TUDO mas também vai manter segrego. Teve como piorar o livro? Teve. Porra, Cleo. 

Resumindo: teve mentira pra caralho.

Finalizei a leitura compreendendo um pouco da razão de encontrar algumas pessoas incomodadas com seus relacionamentos…ao livro fala da relação na base da fantasia, do tesão fácil, do tudo lindo, da submissão enfeitada de amor…da p r e g u i ç a! 

Compreendo o papel da leitura como fonte de entretenimento e relaxamento, mas nada impede que, ainda assim, sejamos críticos perante o que estamos lendo. Seria interessante se buscássemos ler os textos sempre com um olhar mais analítico para podermos nos tornar leitores mais conscientes e indivíduos mais preparados para debater, discutir, inferir…

leituras

[#4] Coraline – Neil Gaiman

Coraline é uma criança exploradora que ao mudar de casa, encontra um novo mundo para descobrir em seu novo quintal. Mas nem todos os dias saem como o planejado e, durante um dia chuvoso e sem muita atenção de seus pais, Coraline se vê entediada e resolve desbravar o lar por dentro. Tudo parece sem graça até encontrar uma porta e descobrir que ela está trancada. A curiosidade da menina nasce imediatamente. Uma porta que, à primeira vista, parece não levar a lugar algum. Misteriosamente, a porta trancada, quando aberta, dá para uma parede de tijolos.

Parede de tijolos? Por que o antigo dono haveria de manter ali uma porta que abre para tijolos? E manter trancada algo que não há nada por trás? Para Coraline – diferente do que pensa a sua mãe – isso não faz o menor sentido e aguça a imaginação da menina.

É a partir daí que começa uma grande e perturbadora aventura. Coraline irá descobrir que além dos tijolos desaparecerem, um novo mundo a espera do outro lado do corredor.

O livro é curtinho e, por essa razão, não me prolongarei para não tirar o mistério e contar a história toda.

Esse é o terceiro livro que leio do autor, o primeiro foi O oceano no fim do caminho, e o segundo Deuses Americanos. Gaiman sai do imaginário comum para construir suas histórias e repassar suas ideias. É o tipo de leitura que ainda tenho que me acostumar, pois acabo buscando um sentido literal que, por sua vez, inexiste. Ou seja, preciso lidar melhor com minha abstração e imaginação que estão destreinadas.

Coraline


Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Páginas: 160
Editora / ano: Rocco / 2003
Tempo de leitura: 2 dias

leituras

leitura coletiva – o sorriso da hiena

Desde julho do ano passado tenho o prazer de fazer leituras coletivas mensais com as lindezas da Nádia e da Angel. E esse ano resolvi abrir um espaço para essas leituras aqui no blog. Então, o carolina pitaqueira terá o prazer de contar com os pitacos das meninas também. Espero, assim, que nosso projeto de leitura coletiva fique registrado para que possamos lembrar, futuramente, das impressões das leituras realizadas durante o ano.

#1 | o sorriso da hiena – Gustavo Ávila

O sorriso da Hiena foi minha primeira leitura do ano – individual e coletiva – e uma tremenda estreia. Confesso que ao ler as vastas indicações de leitura de Hiena (íntima, já) no instagram, fiquei com a pulguinha atrás da orelha por razões de: cansada de relatos de sucesso em tal rede social. Mas isso não é bom, Carolina? Já não sei mais, pois é incrível como tudo que as pessoas leem no ig é altamente recomendável e uma leitura maravilhosa. Quem me dera! Bom, vou deixar esse assunto para um outro post…

hiena

Felizmente tenho que concordar: o livro é recomendável, sim. Hiena é uma história com um tema pesado, mas a narrativa é extremamente fluida e envolvente, tornando até mesmo as partes de agonia, muito fáceis de ler. Durante todo o livro é possível se espantar e surpreender com as atitudes (uma pior que a outra) dos personagens. Para quem gosta de ação durante toda a leitura, assim como eu, leia Hiena. Não há momentos de tédio. O começo da história já é de tirar o fôlego: um menino de 8 anos assiste ao assassinato cruel de seus pais enquanto está amarrado em uma cadeira – “ninguém gosta de linguarudos”.

Os olhos da criança gritavam, arregalados em um silêncio forçado, uma testemunha impotente que não podia fazer nada para impedir o que via. Preso em uma cadeira, o garoto encarava seu pai e sua mãe sentados à sua frente com as mãos amarradas atrás das costas.

A narrativa será construída a partir da cena do crime principal que tornará o alicerce de diversas questões: somos formados por aquilo que passamos e vivenciamos nos primeiros anos de nossas vidas? Podemos ser coniventes com algo que um dia repudiamos? Essas são algumas das dúvidas de personagens principais que irão dar base para uma trama com fatos muito bem amarrados. Para você, que adulto essa criança se tornará ao conviver com tal memória?

Não vou entrar muito na história para não tirar de você, leitor, o prazer de descobrir sozinho pontos surpreendentes. É estranho dizer que por mais que o conteúdo seja todo maluco, eu consigo acreditar que essa história poderia ser uma escrita de um thriller da vida real. O mundo é muito doido!

Eu não quero fazer um curativo no dedo, eu quero… tirar o corte da faca.


n1
Pitaco da
Nádia | Além do Livro
Detesto preconceito literário, mas confesso que tenho um pé atrás com literatura brasileira, seja ela contemporânea ou clássica. Por isso, os elogios a O Sorriso da Hiena, o thriller policial de estreia de Gustavo Ávila, não haviam me causado grande interesse. Eis que a Ana/Carol, dona deste blog que vos fala, me presentou com o livro no Natal e, assim que soube dos detalhes da sinopse, foi impossível não me interessar. O Sorriso da Hiena foi uma das primeiras leituras de 2016 e a estreia do projeto coletivo com a Ana e a Angela. E, olha, não poderia ter sido uma escolha melhor! O clima da trama de Gustavo Ávila é doentia e assusta, tanto pelas atrocidades cometidas, quanto pela infeliz proximidade com casos da vida real. Como thriller policial, é claro que o mistério permeia toda a obra, mas o autor teve uma ótima sacada ao narrar os fatos do ponto de vista de vários personagens: o assassino, o detetive, o psicólogo que cuida das vítimas e por aí vai. Senti que alguns pontos acabaram ficando soltos ao final do livro, mas nada que comprometa a qualidade e a riqueza de O Sorriso da Hiena.

2

Pitaco da Angel
Sabe quando você termina uma leitura e fica: WTF, o que foi isso produção? Pois é, ao ler Hiena, a cada final de capítulo eu me deparava com um WTF diferente. Sempre tive preconceito com livros de autores nacionais exceto Luis Fernando Verissimo <3. Porém, no primeiro dia do ano, praticamente engoli um livro do Rubem Fonseca e prometi dar essa chance a minha estante. Garanto que foi a melhor escolha.

Hiena superou MUITO as minhas expectativas. Confesso que tive receio de me decepcionar no meio da história com a possibilidade de sei lá, o autor “cacar” em algo, deixar uma ponta solta ou não explicar certos pontos, mas olha, bem feito para mim e para o meu preconceito, porque não encontrei nada que eu não tenha gostado no livro. No final, ainda fiquei com aquela sensação de: quero mais. A história é muito real, muito vívida e não sai da minha cabeça que a qualquer dia de ócio no sofá, zapeando os canais, cairei no programa Cidade Alerta com o Artur falando ao Datena (?) sobre o caso.


Título: o sorriso da hiena
Autor: Gustavo Ávila
Páginas: 303
Editora/ano: independente / 2015
Tempo de leitura: 7 dias

Para quem se interessar, o livro está disponível no site: http://osorrisodahiena.com.br/ (é preciso esperar, pois a tiragem inicial acabou) e também há versões em e-book na Amazon e Saraiva. Vale ressaltar que o autor é muito atencioso e responde e-mail super rápido.

leituras

[troféu literário 2015] E por fim…

Em 2015, minha meta era ler 50 livros e terminei o ano com 43 leituras.
Para 2016, minha meta é ler vários livros.

Finalizo os posts do troféu literário hoje e ainda não decidi se irei fazer metas de leitura em 2016. Vi que chegando ao final de dezembro eu fiquei um pouco desesperada para cumprir minha meta e quase sai lendo qualquer coisa que nem me agradava só para chegar ao número estipulado. Quero sim contar quantas leituras farei ao longo do ano, anotar, resumir, mas não sei se quero estipular um numero. Talvez 2016 seja o ano de deixar tudo fluir…

Adorei participar dessa retrospectiva! Na – Além do Livro – e Karina – Livros & Escritos parabéns pela iniciativa!

leituras

[troféu literário 2015] categoria: os “mais”

  • A leitura mais difícil: Deuses Americanos | Foi difícil, pois não entendia grande parte das referências mitológicas.
  • A leitura mais fácil: Nós – David Nicholls | Foram várias leituras fáceis esse ano, mas busquei trazer um livro diferente para preencher o troféu. E outra, eu adorei esse livro!!Foi uma leitura fácil e prazerosa.
  • O livro que li mais rápido: Os elefantes não esquecem – Agatha Christie | Poderia ler em uma sentada se não tivesse que sair de casa aquele dia. E embora muito rápido e fácil de ler, não foi o que mais gostei, não li rápido por estar super envolvida com a história, mas sim porque o livro é bem curtinho e tranquilo de ler.
  • O livro que mais demorei para ler: Deuses Americanos.
leituras

[troféu literário 2015] categoria: as sensações 

 

  • O beijo que me fez suspirar: acho que nenhum beijo me fez suspiraaar esse ano, mas teve um que eu fiquei “hmmm” e foi o beijo que rolou ou não entre Irina e Ramsey de “O mundo pós aniversário”.
  • O trecho que mais me marcou: gostei bastante de vários, entre eles:

Ninguém realmente se parece por fora com o que é de verdade por dentro. Nem você. Nem eu. As pessoas são muito mais complicadas que isso. É assim com todo mundo” | Neil Gaiman – O oceano no fim do caminho.

  • A história que mais me inspirou: Sejamos todos feministas | não consigo parar de inserir esse livro em todas as categorias, por favor, leiam!
  • O livro que acabou com as minhas lágrimas: nenhum | eu sou uma manteiga derretida, acreditem, mas não consegui chorar com um livro ainda. Sou muito visual e auditiva, então talvez eu chore em um áudio livro, pois não posso ver vídeo de propaganda, cachorro, gente chorando, que eu choro também.
  • A trama que me causou arrepios: Dias perfeitos | WTF esse livro?
  • O livro que me deixou mais curioso: Sonhos partidos | eu esperava um outro tipo de olhar e caminho do autor com a narrativa, e aí quando me deparei com uma coisa completamente diferente fiquei muito curiosa. Não sei bem se ele foi o que me deixou maaais curiosa, mas já não queria repetir os livros já citados.
  • A obra que me fez gargalhar: Orlando, Virginia Woolf | gargalhaaar não, mas me foi um livro que eu ri em várias partes.
  • A história da qual eu sinto mais saudades: Harry Potter | no caso, a série toda.
  • O crime que me pegou de surpresa: Até você ser minha | prefiro não comentar qual crime foi para não dar spoiler.